conectando rio natal

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Principal

Conversando é que a gente se entende

E-mail Imprimir PDF

Em agosto de 2009, já pensando em começar a escrever o blog e pensando em pesquisar sobre os dicionários regionais, potiguês e Carioquês, já postados aqui (http://www.conectandorionatal.com.br/index.php/category-table/116-expressoes-regionais.html)  conheci o livro conversando é que a gente se entende e achei muito legal. Agora passado quase  1 ano, comprei e não deu outra, chegou um amigo natalense, conheceu e já comprou também, pois o dicionário é muito interessante.

O autor, Nelson Cunha Mello, é professor de português, publicitário, ator da Companhia de Teatro Contemporâneo e um apaixonado pela palavra. Em 507 páginas, de A a Z, ele traz mais de “10 mil casos, entre brasileirismos, ditados populares, gírias, bordões, máximas e outras formas do falar informal”.
Antes de começar efetivamente a destrinchar as palavras, Nelson explica ao leitor quais foram seus critérios de escolha e faz uma breve explicação sobre conceitos de linguagem figurada, linguagem culta, figuras de linguagem, entre outros.
Carioca da gema. Nelson Cunha Mello é professor de Língua Portuguesa, com vasta experiência nos ensinos médio, superior e pré-vestibular. Especialista na matéria, atua também como pesquisador, redator e revisor.

 

RIO - Nélson Cunha Mello é um "homem de sete instrumentos": ator, professor, estudioso da língua portuguesa e agora escritor. "Um belo dia", se pegou colecionando expressões populares, bordões e gírias daquelas que muita gente fala "a dar com pau" e às vezes nem se dá conta da origem ou mesmo do real significado do que disse.

Confira a origem de algumas expressões segundo o livro 'Conversando é que a gente se entende'
Em dez anos de pesquisa, Cunha Mello sequer precisou ir "aonde Judas perdeu as botas" para compilar as dez mil expressões que fazem parte do seu "Conversando é que a gente se entende" (editora Leya), recém-lançado dicionário de expressões coloquiais brasileiras como as que aparecem entre aspas nesta reportagem.

Para encontrar palavras e ditados falados por todo o país, o autor incluiu em sua rotina rituais que iam desde a leitura "ao pé da letra" de jornais diários e revistas, a "ficar de olho vivo" com o que se falava na TV, no cinema, no teatro, nas ruas. Admitindo a indiscrição, ele até passou a prestar atenção nas conversas alheias, sempre "de orelha em pé".

- Minha maior fonte de pesquisa foi a imprensa: em todos os artigos, reportagens, colunas, até nos classificados é possível encontrar esse tipo de linguagem. Quando percebi isso, comecei a colecionar, a ficar "antenado", para usar uma expressão do livro, a qualquer coisa que aparecesse - brinca, cheio de bom humor.

Com toda essa minúcia, Nelson já reuniu cerca de 300 palavras para um próximo volume de seu divertido dicionário. Do primeiro, ficaram fora as expressões regionais, aquelas que só são usadas (e compreendidas) em algumas partes do Brasil. As mais pesadas também foram deixadas para trás ("apesar de ter muita expressão chula", avisa).

Em entrevista, Nelson derrete-se por sua obra de 510 páginas, cujo prefácio e apresentação são assinados pelo imortal Evanildo Bechara e pelo escritor e músico Nei Lopes. A contracapa é do colunista do GLOBO Joaquim Ferreira dos Santos.

- A expressão "muito barulho por nada", usada até pelas pessoas mais simples, saiu da peça homônima de Shakespeare. Muita gente que repete esse bordão jamais leu Shakespeare na vida, isso é fantástico.

Fora casos como esse, quase nada intrigou Nelson. Como a maioria das expressões já é de uso popular intenso, poucas eram as que ele não conhecia, como "fazer colher de pau e ainda bordar o cabo", que significa absolutamente a mesma coisa que "fazer coisas do arco-da-velha". Ou seja, praticar atos surpreendentes.

Para o autor, a consagração do trabalho que foi catalogar, reunir e dar significado a tantas expressões veio com o lançamento do livro, em um evento no Rio de Janeiro.

- Um rapaz inglês que reside no Brasil há pouco tempo me abordou e contou, com um sotaque fortíssimo, que estava comprando o livro pra aprender melhor o português. Agora ele vai poder entender o significado de muitas expressões que ouve no dia a dia.

Fonte:  http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2009/10/21/dicionario-explica-expressoes-comuns-da-lingua-portuguesa-como-ficar-de-olho-vivo-entre-outras-769920533.asp

Assuntos relacionados:

Expressões Nordestinas

Expressões Regionais

Expressões Regionais

 

Comentários  

 
0 #2 2011-05-21 14:53
Falando em educação veja o último post que fiz http://www.conectandorionatal.com.br/index.php/the-news/252-educacao-no-brasil-sensacao-da-rede-social-rn.html
Poderia nem ser de meu estado, mas já que é me envaidece mais ainda, que venham de todo o Brasil, muitas e muitas professoras como essa, com certeza melhorará o ensino Brasileiro. A profissão número 1 não pode ficar no abandono.
Citação
 
 
+1 #1 2010-07-18 22:58
Conversando é que a gente se entende, esse livro eu amanhã mesmo atras dele nas livrarias. Adoro essa coisa e você já percebeu pelo meu próprio linguajar ou linguajá ou sei lá - você entendeu? Mande meu blogo para o Nelson.
Citação
 

Comentar

@co.mailboxxx.net


Código de segurança
Actualizar

Sou Curiosa

O que você passa a conhecer é o seu conhecimento na sua visão, então porque não passar a informação para o outro e a partir daí cada um terá sua própria visão, respeitando o conceito (pré-determinado ou não) de cada um.

 
Pensando em viajar

"Tenho o mais simples dos gostos, me contento com o melhor" Oscar Wilde.

Acredito que o melhor nem sempre quer dizer custo alto, então, procuro dentro de minhas possilibidades fazer as minhas escolhas.... Sônia.

Links com fins sociais:

Casa do Bem
Fazer o bem sem olhar a quem...
ADOTE-RN
Associação de orientação aos deficientes

Meio Ambiente

Me siga também... TWITTER
Twitter @rionatal.

Estatísticas

Visualizações de Conteúdo : 2757711