conectando rio natal

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Principal

Jacy

E-mail Imprimir PDF

Sabe quando você lê sobre determinado assunto, fica curioso e tem vontade de conhecer? Nem preciso dizer que nesse caso, falando de Natal, fiquei interessada.... Foi assim ao ler a resenha do Jefferson Lessa na VejaRio sobre a peça Jacy do Grupo Carmim de Natal, muito interessante e atual. Em dezembro de 2015 a peça chegou a ser incluída, na lista dos dez melhores espetáculos de 2015 eleitos pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.

A peça retrata a história de uma mulher que teve sua vida escrita a partir do encontro entre Henrique Fontes, diretor e ator da peça, e uma frasqueira. Há três anos, Henrique encontrou a maleta contendo toda a história de Jacy, uma mulher que, se estivesse viva, teria 93 anos hoje. A montagem traça um paralelo entre a história da personagem e a história da cidade do Natal.

A partir de objetos e documentos encontrados, o grupo aprofundou investigações na vida de Jacy, até descobrir diversos paralelos entre a história dela e da capital potiguar. Além do contexto histórico, também explora a temática do abandono do idoso, muito presente no nosso cotidiano.

Henrique Fontes, diretor e ator da peça, considera o processo de criação de Jacy “muito rico e surpreendente”. Segundo ele, “a investigação feita, a partir dos vestígios encontrados na frasqueira, revelaram fatos curiosos que têm ligação direta com a história de Natal”. O espetáculo é construído a partir dessa ligação, oras realisticamente, oras de forma fictícia, de maneira que não se sabe muito bem onde termina uma e onde começa a outra.

Transcrevo abaixo o a Resenha do Jefferson Lessa sobre a peça que me chamou tanto a atenção, e que bom estava lotado. Parabéns ao grupo Carmin e muito sucesso.

Em 2010, caminhando por ruas de Natal (RN), o ator e diretor Henrique Fontes deparou com despejos na calçada: um colchão, um estrado e uma velha frasqueira, daquelas usadas pelas madames para guardar miudezas nos tempos de outrora. Ao abri-la o integrante do Grupo de teatro Carmin encontrou objetos – um lenço, cartas de banco etc. – que aliados à pesquisa sobre a velhice desenvolvida pela trupe para um novo espetáculo, levaram a uma investigação minuciosa a respeito da dona dos pertences abandonados. A filha de dono de engenho que aproveitou a vida à larga durante a II Guerra Mundial, na capital do Rio Grande do Norte, apaixonou-se por um dos soldados americanos baseados na cidade durante o conflito, perdeu-o de vista e casou-se com ele vinte anos depois tem sua rica biografia resgatada na comédia dramática em cartaz no espaço Sesc, em Copacabana. Além de responder pela encenação, Fontes também sobe ao palco, ao lado de Quitéria Kelly. A história da personagem e as incríveis circunstâncias de sua descoberta pela trupe potiguar são costuradas com delicadeza diante da plateia. Original desde o início, a montagem é enriquecida por direção ágil e projeções em vídeo pertinentes à trama. Entre tantos acertos, o doce sotaque da dupla sobre o palco soa como um bônus neste raro espetáculo.

Vai estar em cartaz no Sesc Copacabana até dia 20/03/2016, vai lá, vale a pena..

História do Grupo Carmin

O Grupo Teatro Carmin foi criado em janeiro de 2007, em Natal, com o desejo de pesquisar temas urbanos que pudessem ser retratados de forma cômica. A busca pelo riso não era gratuita e deveria proporcionar abertura para reflexão ou, como quis Georges Bataille, para uma “atitude filosófica”.

Motivados pela pesquisa proposta pelo Grupo Clowns de Shakespeare sobre moradores de rua do bairro da Ribeira, Quitéria e Titina convidaram o diretor e dramaturgo Henrique Fontes e o cenógrafo Mathieu Duvignaud para juntos aprofundarem a pesquisa sobre o universo dessas pessoas que vivem nas ruas. O processo durou quase seis meses de investigação nas ruas e visitas a postos de saúde, além do trabalho de criação em sala.

Leia mais sobre o grupo clicando aqui.

Fontes:

http://www.grupocarmin.com/novidades/

https://www.facebook.com/grupocarmin/

http://cultura.estadao.com.br/noticias/teatro-e-danca,grupo-carmin-da-aula-de-historia-em-jacy,1749811

http://novojornal.jor.br/cult/espetaculo-jacy-esta-entre-as-10-melhores-pecas-do-ano

 

 

Comentar

@co.mailboxxx.net


Código de segurança
Actualizar

Sou Curiosa

O que você passa a conhecer é o seu conhecimento na sua visão, então porque não passar a informação para o outro e a partir daí cada um terá sua própria visão, respeitando o conceito (pré-determinado ou não) de cada um.

 
Pensando em viajar

"Tenho o mais simples dos gostos, me contento com o melhor" Oscar Wilde.

Acredito que o melhor nem sempre quer dizer custo alto, então, procuro dentro de minhas possilibidades fazer as minhas escolhas.... Sônia.

Links com fins sociais:

Casa do Bem
Fazer o bem sem olhar a quem...
ADOTE-RN
Associação de orientação aos deficientes

Meio Ambiente

Me siga também... TWITTER
Twitter @rionatal.

Estatísticas

Visualizações de Conteúdo : 1269080