conectando rio natal

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Principal

EDYPOP - musical

E-mail Imprimir PDF

Sinopse
Texto: Pedro Kosovski | Direção: Marco André Nunes

Nas ruas, os ânimos estão acirrados. A ausência do governante é sentida por todos.“Os mascarados inflamam: Vamos desterrar o poder! Vamos aterrar o palácio!” O rei,acuado, está doente. Mal consegue se manter de pé. Tem vertigens, desmaia, delira. Desde o nascimento do herdeiro do trono é assim. O temor de que se cumpra a profecia rege, minuto a minuto, seus dias. Desgovernado, o monarca não tem mais olhos para o reino nem ouvidos para os súditos. E, enquanto um clamor inaudito toma conta do palácio (“O morro vai descer! O morro vai descer!”), sua terra é “ocupada por homens, mulheres e crianças mascarados, que erguem no seu cume a bandeira negra do caos”. A cidade, em abandono, quedou doente, junto a seu soberano.

“Nowhere is now here.” Tragédia grega ou parábola dos dias de hoje? Ou as duas
coisas ao mesmo tempo, aqui e agora, e mais um monte de coisas no meio?

Sétimo espetáculo levado à cena por AQUELA COMPANHIA DE TEATRO desde a sua fundação em 2004, o musical EDYPOP é uma recriação livre, pop, como indica o título, e pra lá de bem humorada do mito de Édipo. Que se apropria menos de sua referência clássica – a tragédia escrita por Sófocles (495 a.C.-406 a.C.) quase dois milênios e meio atrás – do que de derivações que a precedem ou a sucedem. Do mito de Laio, o rei cambaio, pai e vítima fatal de Édipo, que motivou obras de dois outros grandes tragediógrafos gregos – as homônimas Laius, de Ésquilo (525 a.C.-456 a.C.) e de Eurípedes (480 a.c.-406 a.c.), que não sobreviveram aos nossos dias – ao complexo de Édipo formulado pelo pai da psicanálise, Sigmund Freud (1856-1939), nos anos 10 do século passado. Da fixação na figura materna que transparece na obra de um dos maiores ícones da história da cultura e do ativismo pop – John Lennon (1940-1980) – ao brado de insurgência contra os desmandos e a omissão do poder público que tomou as ruas do Rio e de todo o país neste ano 13 do século XXI.

Assuntos Relacionados:

Me salve, musical – Uma comédia reflexiva.

É com esse que eu vou - Musical

Um Violinista no Telhado

ALÔ DOLLY

Cazuza - pro dia nascer feliz, o musical

Milton Nascimento - Nada será como antes


Fontes:

http://www.maisteatro.com/espetaculo/edypop

 

Comentar

@co.mailboxxx.net


Código de segurança
Actualizar

Sou Curiosa

O que você passa a conhecer é o seu conhecimento na sua visão, então porque não passar a informação para o outro e a partir daí cada um terá sua própria visão, respeitando o conceito (pré-determinado ou não) de cada um.

 
Pensando em viajar

"Tenho o mais simples dos gostos, me contento com o melhor" Oscar Wilde.

Acredito que o melhor nem sempre quer dizer custo alto, então, procuro dentro de minhas possilibidades fazer as minhas escolhas.... Sônia.

Links com fins sociais:

Casa do Bem
Fazer o bem sem olhar a quem...
ADOTE-RN
Associação de orientação aos deficientes

Meio Ambiente

Me siga também... TWITTER
Twitter @rionatal.

Estatísticas

Visualizações de Conteúdo : 1456167